Podcasts, Blogs e Twitter. Uma pequena análise e um desejo guardado.

9 de fevereiro de 2010

Olá, sumi mas voltei.

Hoje queria falar um pouco sobre essas 3 ferramentas ótimas de comunicação que estão agregadas a internet, fazer perguntas sobre as mesmas e quem sabe conseguir as entender melhor.

Sobre blogs:

A etimologia da palavra blog vem de Web log, que significa algo como diário na web, foi criada desta da desta maneira por Jorn Barger em 1997 e a sua contração “blog” foi criada por Peter Merholz em 1999.

Inicialmente o blog foi criado como um diário on-line como a palavra nos remete e foi assim por um bom tempo, alguns blogueiros acharam outras utilidades como meios de divulgação de seus produtos e serviços, lugar para demonstrar seus trabalhos artisticos, painel de humor e até houveram e existem até hoje vários blogs de auto-ajuda ou de perguntas e respostas.

Com uma idéia de se apoiar no visual foram criados outras ramificações de blogs como os fotologs que por muitos anos foram a moda, antes mesmo do orkut ser conhecido no Brasil.

Hoje em dia os blogs tem uma força tremenda na internet e seu papel é muito bem desenvolvido por profissionais de internet e pessoas que gostam de blogar, junto disso vem conteúdos diversos sobre tudo que você possa imaginar, desde blogs sobre brinquedos, passando por animações, agricultura, turismo, tecnologia, saúde etc, TUDO MESMO.

O seu grande valor é ser um portal que qualquer pessoa pode ser um escritor/blogueiro e expor suas opiniões sobre determinados assuntos e claro, conhecer outras pessoas com opiniões iguais ou divergentes e discuti-las.

Os Podcasts:

Conheci o mundo dos podcasts por acaso, na verdade eu não lembro como cheguei ao site do jovem nerd, eu estava jogando World of Warcraft e numa pausa resolvi navegar na internet e quando vi aquela imagem linda dos participantes, fiquei curioso e fui ver do que se tratava, e quando vi já estava adorando o conteúdo tanto do blog como dos podcasts do pessoal de la.

Dessa vez não quero falar tecnicamente sobre o que é um podcast (qualquer interesse sobre o assunto leiam o artigo do wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Podcasts), vou sim falar de minha experiência com o mesmo e como isso foi legal como uma nova forma de diversão.

Eu trabalhava em escala na parte da madrugada e em muitos momentos eu não tinha nada pra fazer e ficava em estado semi-vegetativo, a partir do dia que conheci O nerdcast minha vida no trabalho mudou, pois logo que conheci o nerdcast fiquei maluco atrás de outros casts para ouvir durante o turno de trabalho (isso foi no começo de 2009, lembrando também que ouvir algo no meu trabalho não me atrapalhava no mesmo), passei a ter noites mais agradaveis e informativas com muita dose de humor.

Com isso veio tambem…

O twitter:

Até hoje não sei direito como usa-lo, porém o que eu sei me agrada muito, consigo me antenar sobre diversos assuntos acompanhando agencias de noticias, saber o lançamento de novas midias e produtos, e até conversar com algumas pessoas que na vida real eu nunca veria, acontece que por enquanto para mim o twitter eh um mini jornal ou mini blog e um dia eu ainda pretendo usa-lo como ferramenta de divulgação porque o passarinho tem muito potencial.

Sobre o Desejo:

Depois de conhecer essas 3 mídias eu fiquei maluco e quero ainda ter meu portal sobre tecnologia, entretenimento, jogos, etc, e estou correndo atrás para esse sonho se realizar.

Bora simbora…

Fabiano Loureiro

“Pagando bem, que mau que tem… Pagando mau, VAI PRA PQP.

4 de dezembro de 2009

Minha mãe sempre dizia: Estuda menino, se não você vai virar um desses homens que puxam carroça e que catam lixo. Porra, eu nunca quis ser um desses caras, então eu sempre estudei o suficiente para passar de ano com notas boas.

Na segunda tentativa passei entrei na faculdade e fiz dois anos do curso de física, me lasquei com dinheiro e acabei precisando largar a faculdade e ir trabalhar, mas sem experiência e com preguiça de arrumar algo melhor eu acabei parando no inferno de qualquer trabalhador.

Salário de merda, valor de refeição que não dava pra comer nem uma marmita, carga horária de fuder, música diabólica o dia todo (em loop), e outros detalhes que me fizeram chutar o balde.

Se você vai trabalhar numa empresa e recebe mal, só fique se realmente precisar, porque se você mora com sua mãe e seu pai que te sustentam ainda é melhor fazer bico, trabalhar de ajudante de pedreiro, consertar computador, fazer artesanato ou whatever, a ter que ficar num ambiente de trabalho que você sempre espera que vai melhorar mais depois de dois anos nada muda.

Após largar o trampo, voltei a fazer exercícios, a me relacionar melhor, meu stress acabou, recebi uma grana equivalente a um ano de trabalho se eu descontar o que eu gastava pra ir pro trabalho e o que eu comia no mesmo. Além disso junto dessa mudança na minha vida, parei de jogar WoW (tempo livre!!!!), voltei a ler livros, posso assistir minhas séries, sair com amigos, passar finais de semana em algum sitio ou praia, FUDER SEM TER MEDO DO AMANHÃ.

Bem meus amigos, espero que eu tenho conseguido traduzir em palavras a minha felicidade.

Voltando ao assunto do tópico, penso agora no ano que vem utilizar a grana do FGTS e seguro desemprego mais o resto das multas e etc que eu tenho direito para fazer um curso técnico e estudar muito para não precisar de passar novamente por esse tipo de coisa.

Empreguinho de miséria nunca mais.

See ya.

Fabiano Loureiro

Um pouco de raiva não mata ninguêm.

28 de novembro de 2009

A pesquisa pra explanar o assunto destacado nesse post foi feita em campo, vivendo e convivendo com pessoas que muitas vezes são boas pessoas, mas não tem muito a oferecer no quesito “bom gosto”.

A alguns anos entrei no mercado de trabalho, até hoje houve um ou outro com quais me identifiquei, claro que pela necessidade acabamos deixando de lado esse parte de estar ou não feliz com o que se está fazendo. Pra piorar alguns deles existia o tal rádio, que não funcionava nem o cd-player, nem o toca fitas (se bem que quem usa isso hoje a não ser em carro velho pra ouvir suas bandas antigas.) sobrando então as “boas e ótimas” rádios. A gama de opções no meu estado é enorme, mas por incrível que pareça os caras conseguem em 20-25 rádios ter no maximo 4 conteúdos, São eles:

1º Música pop (emocore, musica eletrônica, por rock, Lady gaga…)

2º Música romantica/pancadão (sertanejo, axé (e suas desgracentas e variadas diversificações, funk, musica chorosa…)

3º Rádios do senhor (exorcismo, reza braba, música gospel)

4º CBN

Claro que nunca iriam escutar a CBN no trabalho porque deve ser “muito chato” se informar em tempo real, o negócio bão mesmo é ficar ouvindo 24horas as mesmas músicas sendo repetidas em loop até você achar que esta gostando e colocar o sujeito num estado vegetativo que o “pra que pensar se posso ouvir” vale mais que tudo na vida.

O jabá é tão descarado que chega dar pra ouvir os barulhinhos das caixas registradoras.

Mudando um pouco o foco das rádios, passamos aos desavisados que frequentam ônibus.

EU NÃO SOU OBRIGADO A OUVIR A PORRA DA MÚSICA QUE O SUJEITO GOSTA EM SOM CHIADO E ALTO PRA CARALHO. O que leva uma pessoa a achar alguem quer ouvir funk dentro de um ônibus as 6 da tarde num sol que parece do meio dia, num aperto infernal, Meu amigo, ja inventaram o Fone de Ouvido, tenha respeito pelo menos com o passageiro ao lado, mesmo não tendo com você mesmo.

Pra finalizar gostaria de deixar claro que não tenho nada contra nenhum estilo musical, acho que tudo tem sua hora e momento. E também dizer que cheguei a conclusão que Os “VIDA LOKA” e afins tem até uma boa razão para existir, mas isso fica prum próximo post.

Abraços

Fabiano Loureiro

27 de novembro de 2009

Bem vindos.

Vamos lá, resolvi finalmente me juntar a blogosphera. Ainda não defini exatamente do que se tratará esse blog. Inicialmente vou tentar mante-lo atualizado (fiquei sabendo que essa é a parte mais dificil. Também quero trazer coisas do meu interesse e que possa ser interessante para outras pessoas que possam vir a ler esse blog.